Características de uma pessoa submissa

Características de uma pessoa submissa

“Pois também se a trombeta der som incerto, quem se preparará para a batalha?” (I Cor.  14:8). 

Ao travar uma batalha um exército precisa de moral, de união para a luta. A fim de manter esse moral elevado, é preciso eliminar toda dissensão.

O trombetear para a guerra é um símbolo do liberar da Palavra hoje no meio da igreja. Ignorar a palavra ministrada é o mesmo que ignorar a trombeta soada para a batalha (Nm.

10:9, Jz. 7:18).

A igreja do Senhor é um exército. No exército a característica mais marcante é o respeito a autoridade. Sem autoridade e submissão não há como um exército seguir para a batalha. Um cidadão pode dizer muitas coisas e criticar o governo ou as forças armadas, mas quando ele entra no exército e se torna um soldado, ele perde o direito de dizer qualquer coisa.

Na igreja somos preenchidos com um espírito de luta, de batalha espiritual.

O inimigo tem infectado a igreja com o espírito de rebeldia disfarçado em críticas e opiniões aparentemente inofensivas e até bem intencionadas. É tempo de nos unirmos para a peleja e eliminarmos toda dissensão.

  • Você se considera uma pessoa submissa?
  • Qual é o nível da sua submissão?

Ignorar orientações, não executar as direções dadas, rejeitar convocações espirituais, falar mal dos pastores e líderes ou permitir que outros o façam, são expressões comuns de rebeldia. Qual soldado ignora as ordens de seu comandante?

Todavia no exército da igreja às vezes temos de implorar para alguns obedecerem a uma ordem. Se apenas nos submetemos quando concordamos é porque não submetemos, apenas fazemos o que achamos melhor. 

1. Ele reconhece facilmente a autoridade

Quem tem revelação da importância da autoridade não vive solto e sem restrição. Ele busca se submeter de coração e não apenas por obrigação. Há muitas autoridades na Igreja. Uma pessoa submissa reconhece a autoridade quando a encontra.

Se você nunca encontrou alguém suficientemente bom para ser autoridade sobre você isso é uma prova de que você é rebelde e arrogante. Aquele que é submisso sabe que a sua submissão não depende da perfeição do líder, mas da autoridade que lhe foi delegada. Aquele que se rebela contra um líder no final se levanta contra o próprio Deus.

“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação” (Rm 13:1-2)

2. Uma pessoa submissa não é independente

Ser independente é reconhecer que ninguém é autoridade sobre mim e que eu posso fazer qualquer coisa na igreja sem o conselho e a orientação de ninguém.  Todo rebelde é também muito arrogante.

Não estou sugerindo que você seja dependente de pessoas, mas você precisa prestar contas dentro da igreja.  Não somos independentes, mas somos ligados uns aos outros como os membros do corpo. Independência é um grande sinal de rebeldia.

Como eu falei no culto passado, Deus não aceita fogo estranho. Nadabe e Abiú ofereceram fogo estranho diante de Deus e foram consumidos (Lv. 10:1-2). Fogo estranho é aquele que tem origem em nossa presunção e independência.

3. Aquele que conhece autoridade não procura ser autoridade.

Na igreja sempre há os que procuram posição, mas fogem da responsabilidade. Alguns procuram status e títulos e presumem que a autoridade é algo para se desfrutar.

Aquele que é submisso procura cuidar do seu líder, do seu discipulador, do seu pastor porque entende o peso espiritual da função que o líder exerce. Ele procura ser parte das soluções e nunca dos problemas. Os rebeldes procuram dificultar a vida do líder porque querem que ele pague algum preço pelo status que possui.

A rebeldia sempre começa com a inveja. Como aconteceu com Lúcifer. Todo rebelde inveja a posição do líder por isso tenta minar a sua autoridade. Depois ele fica muito atento aos erros do líder.

Num segundo momento ele pensa que seria capaz de fazer melhor do que o seu líder. Por fim vem a indagação: “se eu vejo os erros e posso fazer melhor, porque ele ainda é o líder? Se não posso tomar o lugar dele também não preciso me submeter a ele.”

4. Aqueles que são submissos são tardios para opinar.

Aqueles que rapidamente emitem a sua opinião mostram um coração independente e vaidoso. Vaidade e independência mostram um coração que tem dificuldade de se submeter. Aquele que é submisso deseja ouvir a opinião da autoridade antes de expor a sua própria e só o fará se realmente for contribuir para ajudar a resolver problemas.

Pessoas cheias de opiniões na verdade querem ser autoridade. Mas uma pessoa torna-se autoridade na obra do Senhor por conhecer à vontade, a mente e os pensamentos de Deus.

A extensão de nossa autoridade é a exata medida do nosso conhecimento da vontade de Deus.

Ninguém quer saber a sua opinião, mas todos desejam saber o que vai no coração do Pai. A Casa de Deus é edificada quando alguém fala da parte de Deus, e não quando dá a opinião própria.

5. A pessoa submissa é muito sensível a rebeliões e iniquidades.

O homem submisso é aquele que foi tratado por Deus na sua rebeldia, por isso ele sente temor quando percebe outros agindo dessa forma, pois sabe o custo do tratamento.

O que você sente quando alguém age com rebeldia? Fica do lado dela? Concorda com suas ideias? Fica calado? Os semelhantes se atraem no mundo espiritual e no natural também.

Se pessoas rebeldes sentem liberdade para falarem mal da autoridade perto de você, isso é um sinal que você concorda com as ideias delas e se não concorda, uma coisa é fato, você também não se posiciona contra, acredite mesmo o seu silêncio é uma concordância.

Se você não é sensível para perceber quando alguém está sendo rebelde isso significa que a rebeldia ainda não foi tratada por Deus em sua vida. Pessoas tratadas são sensíveis e correm ao menor sinal de rebelião.

6. Aquele que é submisso consegue levar os outros à submissão

A primeira lição de um servo de Deus é submeter-se a autoridade. Precisamos ver que há autoridade em todo lugar: em casa, na escola, no trabalho, na sociedade, etc. Muitos veem a submissão como um castigo ou punição uma vez que Deus disse a Eva que ela deveria se submeter a Adão, e isso aconteceu depois da queda. Precisamos, porém, reconhecer que a autoridade já existia antes da queda e, portanto, a submissão também.

No processo de crescimento precisamos ter um espírito de submissão e também precisamos ser treinados na submissão. A maneira como somos treinados é andando com pessoas submissas.

Pessoas submissas passam um espírito, o espírito de submissão, assim como pessoas rebeldes infectam a igreja com o espírito de rebeldia. Cabe a cada soldado zelar pela unidade do exército. Não admita a ninguém agir com rebeldia dentro da sua célula.