Vencendo a mamon

Semana passada falamos a respeito de entregar o Dízimo, se o Dízimo é da graça ou da lei, e nossa conclusão foi que quando entendemos esse amor, amor de Deus por nós, espontaneamente entregamos o dízimo como resposta.

A chave para vencer em nossa vida financeira é entender que somos amados pelo pai, portanto nós não fazemos trocas com Deus, eu não entrego meu dízimo para ser abençoado, eu faço porque já sou abençoado e a graça me abençoa porque sou filho, e filho amado.

Agora, precisamos entender que temos inimigos, e alguns são especialistas em algumas áreas, hoje quero falar de um inimigo que temos e alguns não o conhecem, e por não conhecerem tem sido vencidos por ele.

É Comum pensamos que o dinheiro não é algo muito espiritual, mas a maneira como lidamos com ele influencia diretamente nossa vida com Deus.  Muitas pessoas não sabem, mas a bíblia fala muito a respeito de dinheiro, mais do que outros assuntos ou tópicos tidos como mais importantes ou espirituais, como fé e salvação.

Por exemplo: na bíblia, existem cerca de 215 versículos que falam de fé e 218 que falam de salvação.

Mas, sobre dinheiro, riquezas e negócios são 2084. dez vezes mais.

Jesus contou 28 parábolas nos dois evangelhos, sendo que dezesseis, falam de negócios, dinheiro e riqueza.

Será que jesus estava atrás de dinheiro como alguns pastores são acusados de estar?

Obviamente que não! Jesus não interessado em dinheiro, e muito menos no nosso! O que ele quer é o nosso coração.

Então, se Jesus não está interessado em dinheiro, mas em nosso coração, por que falou tanto a respeito de dinheiro?

Porque, como ele mesmo disse, “onde está o teu tesouro, aí estará também seu coração” (Mt 6.21).  Jesus falou a respeito do nosso tesouro para que pudesse alcançar nosso coração. O coração sempre vai atrás do tesouro.

Apesar de muitos cristãos dizerem que não se importam com o dinheiro, tenho descoberto que a maioria das pessoas é controlada por ele.  Por mais que elas tentem disfarçar e parecer “espirituais”, o dinheiro controla duas ações e reações.

Sabemos que a maioria das pessoas se preocupa primordialmente com duas coisas: saúde e dinheiro.   Todos querem ter saúde para desfrutar a vida, mas para muitos até mesmo antes da saúde vem a preocupação com o dinheiro.   

Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores. ITm 6:10. 

Ao lermos 1Timoteo 6.10, vemos que o dinheiro em si mesmo, não tem poder algum, não é bom nem mau. O valor que ele tem é aquele que lhe atribuímos.  Para alguns, é muito valioso, para outros, nem tanto. Porém, o que é realmente maléfico é o amor ao dinheiro.

Então o verdadeiro problema é quando nosso coração está apaixonado pelo dinheiro. A Partir do momento em que nosso coração for tratado, lidaremos com o dinheiro da maneira apropriada.

O amor ao dinheiro também afeta diretamente o casamento. Quando aprendemos a lidar com o dinheiro da maneira certa, nosso  casamento é uma benção! Não é incomum ver casamentos começarem com a frase “meu bem”, mas terminarem com brigas na justiça e com a frase “meus bens”.

Quem Governa sua vida?   

A maioria das pessoas de hoje não faz o que gosta, elas fazem o que precisam para ter dinheiro e sobreviver. Entenda que se é o dinheiro quem determina em que uma pessoa trabalhará, quem governa a vida dessa pessoa?

Se ela diz: “Eu não faço o que gosto, faço o que eu devo!”, ela na verdade está dizendo “eu faço o que o meu senhor me ordena”. “Eu não posso escolher o que eu vou fazer, em que eu vou trabalhar, eu tenho que trabalhar naquilo que Mamon, o meu senhor, me manda”.

Meu conselho aos irmãos é o seguinte: quando forem escolher sua profissão, ou mudar sua profissão, não perguntem qual delas lhes dará dinheiro, mas sim, qual é a vontade de Deus para a sua vida. Se vocês se preocuparem apenas com o retorno financeiro, estarão servindo a Mamon.

Não deixe que Mamon roube sua vida! Governe você o seu dinheiro! Não faça como aqueles que trabalham pelo dinheiro, ao contrário, faça com que ele trabalhe para você. Não corra atrás do dinheiro, pois ele chegará até você.

Não trabalhe por causa do dinheiro, mas para realizar um sonho, para atender a um chamado de Deus em sua vida. Faça aquilo que você sente vocação para fazer! Deus o criou para um propósito específico, portanto, não permita que o dinheiro governe sua vida, deixe Deus governar você!

Mamon é um Deus

Manon é mais que riquezas, são as nossas fontes. Ele é um deus concorrente com o próprio Deus verdadeiro. Em primeiro lugar um Deus é aquele que me dá segurança. As pessoas se sentem seguras com o dinheiro, mas não se sentem seguras com Deus apenas. Isso mostra quem é o deus de sua vida. Se tiverem dinheiro, se sentem seguras, mas, se precisarem depender de Deus pela fé, se sentem completamente ansiosas.

Uma segunda característica é que todo deus exige consagração, separação. Você já reparou como se exige integridade e transparência daqueles que lidam diretamente com o dinheiro? Isso é porque Mamon é um deus e exige santidade a ele. Para mostrar que não servia a esse Deus, Jesus escolheu a judas para ser seu tesoureiro.  A Bíblia diz que Judas era ladrão. É como se ele dissesse, para manon “eu dou o pior”.

A terceira característica é que um deus sempre exige o melhor. Você já percebeu que os executivos são sempre os mais preparados, os mais bem treinados dentro da sociedade? Se alguém tão preparado se torna um pastor, todos ficam abismados. Se mandamos alguém se preparar tanto para servir a Deus, todos se escandalizam, mas todos acham normal os melhores servirem a mamon.

Ou seja Um deus também é aquele que determina o valor das cosias, um deus exige temor dos seus adoradores, mas a principal característica é que um deus é aquele que governa.

É o dinheiro quem tem decidido tudo na vida das pessoas.  É Mamon quem decide quantos filhos devo ter. É Mamon quem decide quando devo me casar. É Mamon quem decide se devo ou não ir a uma conferência abençoada.

É mamon quem decide se posso ou não ofertar. É mamon quem decide qual profissão devo seguir.  É mamon quem decide como devo tratar cada pessoa. É Mamon quem decide como devemos fazer a obra de Deus.

Nós nunca deveríamos trabalhar por dinheiro. Nós fomos planejados para trabalhar para Deus. O dinheiro deve ser nosso servo e nós servimos a Deus.

E por fim, a última característica é que um Deus exige adoração. Talvez você diga que nunca adorou a Mamon, mas nós não fazemos isso com palavras, mas com atitudes. A bíblia não diz que o dinheiro é mau, o mal é o amor ao dinheiro, como é dito em 1Timoteo 6:10.

O problema é quando o coração está apaixonado pelo dinheiro. “Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores. 1 Tm 6:10. Evitar o dinheiro não resolve o problema, porque o problema não está com o dinheiro, mas com o coração.

Dois Senhores

A questão do ofertar e dizimar não está em absoluto ligada apenas à prosperidade e a bênção, mas, acima de tudo, é uma questão de quem governa a nossa vida, quem é dono do nosso coração. “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.”  Mt 6:24 

Em algumas bíblias, no lugar de riquezas está escrito Mamon, que é a palavra usada no original grego, que diz “não podeis servir a Deus e a Mamon”.  Não há como agradar os dois, pois eles são opostos e antagônicos. Jesus afirma que de um lado está Deus e do outro, Mamon. Se agradarmos um, certamente desagradaremos o outro.

Portanto, aquele que diz que serve a Deus precisa saber como lidar com Mamon, porque não se pode servir a ambos.  Atrás de todo “deus” há um espírito demoníaco. Esses espíritos trabalham por detrás daqueles ídolos para desviar as pessoas para longe de Deus. Esses espíritos queriam a lealdade e o coração das pessoas.

É por isso que Jesus disse: você não pode servir a Deus e a Mamon .  Mamon é um espírito maligno cujo alvo é desviar nosso coração de Deus, atraindo nossa atenção para o dinheiro. O espírito de Mamon age de duas maneiras: primeiro, faz com que as pessoas focalizem apenas o dinheiro. Elas só pensam em dinheiro, elas querem dinheiro a qualquer custo, veja não é errado poupar para o dia da crise, mas não se deve viver em função apenas de guardar dinheiro. Exemplo do irmão que guardava e não tinha nada. 

Em segundo lugar, esse espírito gera medo e insegurança nas pessoas. Temem perder o emprego ou não conseguir pagar as contas ao final do mês.  Há muitos cristãos que não entregam o dízimo por medo. Temem abrir mão dos 10% do salário e não terem o suficiente para cumprir seus compromissos.

Agindo assim, estão servindo a Mamon e não a Deus. Deus prometeu nos suprir, mas manon sempre quer gerar ansiedade em nós. Os sinais de que Mamon nos governa são ansiedade e preocupação.   Devemos rejeitar toda influência de Mamon sobre nós. Não podemos servir a ele e a Deus ao mesmo tempo, e é por isso que não devemos andar ansiosos pela nossa vida.

Há uma ligação entre servir a Deus e essas duas atitudes, como vemos em Mateus 6 a partir do verso 25  Mt 6:25 a 34 –  Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes? Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. 

Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves? Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida? E por que andais ansiosos quanto ao vestuário? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham, nem fiam. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. 

Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé? Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? 

Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai Celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal

“não andeis ansiosos pela vossa vida”, disse o senhor, porque a ansiedade é a maneira como Mamon governa o homem. Nosso pai celeste nos sustenta, somos seus filhos e não precisamos temer o amanhã.

Somos supridos por Deus é nosso pai.

O Pai cuida do filho independente do merecimento dele. Muitos irmãos entregam seu dízimo por medo, medo de se não entregar algo de ruim vai acontecer com eles.  Outros entregam para fazer um negócio achando que Deus é algum tipo de multiplicador financeiro.

Mas quem faz troca com Deus ainda é escravo de mamon. Pessoas assim não querem Deus, desejam apenas que ele multiplique o dinheiro para elas. E muitos não são abençoados por causa disso. Perceba que a graça sempre se manifesta na sua vida, Deus é um pai amoroso e sempre vai suprir seus filhos, Deus não cuida de nós porque nós somos dizimistas, mas porque ele é um pai que ama seus filhos. Não estou querendo dizer que não precisamos dizimar.

Pelo contrário, devolver ao senhor aquilo que lhe pertence e confiar nele para suprir todas as nossas necessidades é um grande passo para vencer Mamon.  Na verdade, entregar ao senhor nossos dízimos e ofertas é o sinal inegável de que somos livres de Mamon.

Se há avareza em nós, é porque ainda somos escravos de mamon. Não podemos ter comunhão com Deus e com Mamon ao mesmo tempo.

Deus é nossa fonte.

Muitos de nós temos sido escravos de Mamon. Vivemos em busca de ter cada vez mais, com medo de faltar, de acabar, de não ser suficiente. Ás vezes, estamos tão escravizados que nem aceitamos que se fale a respeito disso, principalmente na igreja.

Ficamos logo inquietos achando que a pregação envolve dinheiro, é porque a igreja deve estar precisando. Mas quero esclarecer algo: a igreja não precisa de dinheiro, ela precisa de Deus, pois é ele quem supre todas as suas necessidades.

Se o senhor vier sobre o seu povo, ele toca o coração daqueles que se dispõem a ser um canal de bênçãos nas mãos dele.  A igreja não depende do bolso dos seus membros, mas dos planos de Deus e dos tesouros celestiais.

O que disse a respeito da igreja digo também a nosso respeito: eu e você não precisamos de dinheiro, nós precisamos de Deus.  O dinheiro é do senhor, não nosso, por isso precisamos perguntar a ele como é que devemos usá-lo. Qual é a direção dele?

O que ele quer que façamos com os recursos que ele nos confiou. Assim, lance fora a ansiedade, a preocupação, a insegurança e todo medo, deixando que Deus coordene a sua vida. Isso não é algo fácil de aprender, não é simples, mas precisamos avançar.

Um crente jamais se dobraria diante de uma imagem, então o diabo se esconde atrás do dinheiro para receber adoração, o dinheiro é uma das coisas mais imundas que existe. Não estou sugerindo que você jogue fora seu dinheiro, mas que o santifique. Isso somente é possível pelo dízimo e pela oferta.

A Bíblia diz que o altar santifica a oferta. Quando você traz o dízimo, Deus santifica os outros 90% que ficam com você conforme falamos semana passada.